terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Nosso Fim




Saí,
sem ao menos olhar p'ra trás,
ouvi apenas a batida da porta logo atrás das minhas costas.

Doeu não só os ouvidos,
doeu também aquilo que eu carregava em meu peito,
doeu não sei bem por qual razão...
Talvez tenha ficado por detrás daquela porta,
o resto da minha ilusão.

Saí pisando baixo, meio arrastado,
saí com parte minha querendo voltar.
Hesitei, a maior parte de mim fugia sem pensar...

Era hora de nosso adeus,
que por fim toda palavra emudeceu;
apenas atos teus e meus!


Anna Carvalho

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Teu abraço...

Abrigo achei em teus braços,
meu amado, eterno namorado.
Doce ninho encantado,
onde tanto me perco e acho.

Ah, meu anjo enamorado...
É como o mais perfeito laço,
quando recosto em teu peito
e me envolve no abraço.

Fica assim tudo tão perfeito,
visto-me de sua pele,
curto assim esse momento,
onde as batidas do coraçao
embalam meus pensamentos...

Ali sou puramente tua,
sem querer do tempo a hora,
sem pressa de ir embora.
Afinal, de que importa o mundo la fora?
No silêncio de teu abraço;
sou teu mundo e você é o meu!

Te amo...

Anna Carvalho.

sábado, 19 de janeiro de 2013

Navegante






Nada sei desse sentir que hora abrigo noutra abismo.
Sei apenas das ânsias de quando navego no mar da vida,
entre tempestades e calmarias,
entre a fúria de um furacão ou na beleza de um arco-íris.

Sei tão pouco dessas borboletas que sobrevoam meu estômago,
dessas tonturas quase torturantes e sem sentido
que encontro no sentir mais enlouquecido, 
do amor que por mim ainda é tão incompreendido.

Talvez eu saiba apenas manter as velas hasteadas,
não me preocupando muito com o rumo,
deixando apenas o vento ditar o caminho,
desse coração apaixonado em desalinho.

Nesse verdadeiro sentir, não imponho regras,
tão pouco razões ou conclusões.
Sinto somente, navego só (mente.)
Sem leme, sem planejar a direção,
guiada pelo coração, levada pela emoção...

Sendo o amor a imensidão.

Anna Carvalho

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Espero...




Espero nas linhas do tempo,
debruçada na vida como parapeito
esperando por aquele mesmo vento
que te trouxe p'ra mim,
soprando ex-amores do peito.

Espero que para o tempo haja tempo,
de remendar todos os nossos momentos,
de apartar de meus lábios o tormento,
de causar nesse oceano de lágrimas
algum movimento...

Espero...
Só espero...
Ainda espero...

Que haja resto de vida em nossos olhos,
e que a pureza dos teus reguem a semente,
renasça aquele amor que um dia me disse:
que a vida inteira era pouco tempo,
pois amor verdadeiro vive além da vida e além do amor...


Espero...

Anna Carvalho

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Olhar Felino




Pura sede vi refletido em teu olhar,
despia-me sem ao menos os dedos tocar.
tive medo de provar,
o desejo que lhe tremia os lábios,
de teu coração acelerava o compasso,
ouvia-te distante, sequer aproximei um passo.

Hesitei pelo deserto de teus olhos caminhar,
evitei por anos inteiros teu caminho cruzar.
Como se sempre soubesse quão tentador seria 
ver-me diante desse teu faminto olhar.
Mas a tua fantasia no subconsciente está,
contaminando perigosamente os instintos, 
provocando cada um dos meus sentidos...

Teu desejo como súplica ouvida pelo destino,
cruzou nossas vidas em verdadeiro desalinho.
Ai de minha carne tão fraca, aos teus olhos não mais resisto!
Quero ser presa fácil aos teus instintos felinos,
toma-me em teus braços com toda essa fome do cio,
sim, eu insisto!
Sacia-te nesses lábios que os teus há muito cobiçam!

Anna Carvalho

quarta-feira, 21 de março de 2012

Acordei diferente...


Acordei diferente, meio ausente.
Como se o corpo não me pertencesse.
Será que a alma fica doente?
Ou com os anos muda silenciosamente?

Ah, mas há algo diferente!
Embora não consiga descrever, sinceramente...
Talvez seja coisa da lua, dos astros,
da personalidade o sobressair dos traços.

A verdade é que hoje no corpo não me acho!
Sinto que sou mais do que esse pequeno espaço
e não me basto!
Quero tudo, mais um pouco e ressalto:

Acordei diferentemente viva!
Nua das coisas de uma passada vida vazia.
E como poderia?
Calar no corpo a alma, condena-la à agonia?
Decido ouvi-la e sem dizer nada ela só pede VIDA!

Pois que VIVA!

Anna Carvalho.

sábado, 19 de novembro de 2011

Ah, essa saudade!


Há uma certa luz nessa saudade.
Nela busco o que aviva na alma a vontade
de atracar meu coração ao teu peito,
afogar minha boca em teus beijos,
provar de teu corpo a vaidade...

O que cativa meu desejo nasce em tua face.
Numa luz que de teus olhos surge, 
embriagando  meus pensamentos
fazendo de ti minha  necessidade...
Ah, como é doce essa saudade!

Aprecio a nostalgia com vontade,
ao sabor do silencio almejo o reencontro.
Pois só se deseja viver de novo,
o que marcou a vida além da pele, 
além dos limites do corpo...

Anna Carvalho




quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Meus pensamentos


O tempo passa e quanto mais ele passa menos acho que me conheço...
Tem dias assim; meio cinzentos. Dias em que até parece que a vida nem saiu do começo...
Entretanto noutros tem tanta cor, que mesmo que a vida acabasse no meio seria grata por tudo que me cerca, tudo que em mim faz algum movimento...
Há também dias sem cor, sem cheio, sem espaço.
Tem dias que quanto mais me desejo perder, mais cedo me acho.
Até que me encaixo, como parte do mundo estranho e às vezes DESCONEXO em todo contexto e reflexo...
Descubro que sou parte dessa loucura ou ela parte inteira de mim, enfim sou apenas as emoções de dias de Sol e outros tantos de chuva...
Assim sigo, vida à dentro, desejando que o que julguei ser o fim seja apenas a passagem para os meus (re)começos.



Anna Carvalho






terça-feira, 11 de outubro de 2011

Feliz dia das Crianças



Bom mesmo assim seria,
seguir criança por toda vida.
No faz de conta dessa alegria,
salpicar a realidade de sonhos
encher o mundo de fantasia.

Suave assim seria a vida,
carinhosa como brisa leve no rosto,
da criança que brinca em seu gira-gira.
Quem nos dera desfrutar dessa utopia,
achar no pouco do mundo muita alegria...

Viver numa Terra do Nunca,
onde o passar corrido do tempo
não carrega do menino sua magia,
onde  o que verdadeiramente importa 
é ser feliz dia após dia!

Anna Carvalho

Feliz dia das Crianças!




sábado, 8 de outubro de 2011

Convite de pele



Deixa-me provar da tua boca o doce amor,
sorver das tuas palavras ternas em meus lábios,
saciar a fome de meu corpo em teu sexo;
deixa-me vestir inteira em teu corpo..


Deixa-me assim, provar desse prazer em ti,
verter os suores dessa saudade, lavar a alma!
Queira beber de minha boca os gemidos,
com a lingua em minha pele provar os arrepios...


Vem saciar a saudade de teu corpo em mim,
propagar esse nosso amor em lençóis de cetim.
Meia luz em nosso quarto, a música que preferir...
Façamos amor de pele,  alimente o meu prazer em ti!


Anna Carvalho