segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Desejo


Delicadamente abro-me
Sinto o gosto de teus beijos,
o leve invadir de teus dedos
Do gotejar de teu prazer
no pulsar de tua vida dentro da minha

Descobre minha carne
Toca minha pele
Suga minha alma
Alimenta-te de meu ventre
Sacia-te em mim

na ardência louca da paixão
Em ritmo compassado
o ápice de corpos em uníssono
Latentes, extasiados...ávidos
Gozantes...



Anna Carvalho


*Gozantes: palavra inexistente-neologismo





domingo, 27 de fevereiro de 2011

Depois de ti...


Sonhei com um lugar
somente nosso,
onde vivessemos
olhos nos olhos
os silencios
dos nossos pensamentos.

Uma distância que nos separa,
uma vontade que nos aproxima,
um desejo que nos une!

Cada dia que passa
existe ansiedade neste viver
em que sabes
que o meu coração é teu.

E junto de ti
apenas desejo,
que o meu sorriso final
seja em teu braços ficar!

José Manuel Brazão






sábado, 26 de fevereiro de 2011

Porto solidão


Olhando fixo o azul do céu,
Coração latente em dor,
Imensurável amor

Uma lágrima covarde e fria
denuncia minha saudade

Hoje sim, és Principe Azul
Mergulhado no céu infindo
A espera de tua metade

Vida cresce dentro de mim,
Parte tua aqui ficou
Ah, insuportável dor

Em meu porto solidão
lágrimas à deriva, olhar ao alto
teu nome ao vento,
eu, sem resposta...





Anna Carvalho





quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

O colecionador de pétalas


No jardim dos teus amores
brotou uma flor diferente
flor com sentimento
flor que chora por dentro

Quando distraído tratas doutras flores
Aquela, que é a mais formosa,
Derrama pétalas as dores
Acostumada aos teus carinhos, quando sem
Põe-se à sangrar os espinhos

Das flores que tu cultivas (cativas)
Algumas ficam expostas e são colhidas
Outras tantas por falta d'água perdem vida
Há ainda outras por ti esquecidas,
Que fazem caminhos de pétalas

como esperança que tu às colecione por toda vida

Mas a rosa mais viçosa anda por ti sofrida
Perderás rosa formosa,
Que julgas-te amor em tua vida
Faz algo se há tempo, ela verte sangue em vida
Pois as pétalas da ROSA rara,
Por ti não serão esquecidas.




Anna Carvalho





segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Meu refúgio



No refúgio de teus braços,
onde ainda sou tão menina,

sem noção de tempo e espaço
Segredando-lhe fantasias

No mar de teus olhos,
que fascina, inebria

navegando sem me cansar
repartindo contigo a vida

Tua alma junto a minha,
meu coração batendo ao teu

minha cabeça recosta teu peito
Confessas segredos teus

Em nosso quarto imáginario
mobiliado de fantasias

Entre gemidos e abraços
Num só corpo uma só vida!


Anna Carvalho





domingo, 20 de fevereiro de 2011

Teu Sol no meu jardim


Quando noto-lhe em meu jardim
Distante a pensar
Vagando por meus caminhos
Onde o que faltava pareces encontrar

De todas as outras rosas
teus olhos partem ao meu encontro
no canto que pensas que me escondo
me ponho quieta a observar

A maneira que me colhes
e acarinha minhas pétalas,
Serenidade em meu peito desperta
Sinto em vida novo desabrochar

Como se fosse chuva que minha terra pedia
hoje já não sou mais rosa tristonha
Abro-me ao teu Sol que me alimenta
Entregando-lhe meus dias em flor...


Anna Carvalho








sábado, 19 de fevereiro de 2011

Minha lágrima


Como posso não chorar ao ver tanto amor e saber que não é pra mim?
Como posso não sofrer sabendo que de você isso nunca vou ter?!
Sorte triste essa minha minha
Me obriga viver tudo pela metade
De que vale o desejo, afinal?
Premiação ou consolo?
Dói, como dói...

arregaça a alma, estilhaça o coração...
Dor triste que o prazer finge que engana e o ego finge que basta
coração é criança que a gente não enrola,
Que teima, que chama, que pede...que chora!
Afinal quem disse que não há rima numa lágrima sentida ou numa poesia sofrida?


Anna Carvalho








Á minha amiga ilustre.


Dia frio, triste e vazio,
logo pela manhã ouço as batias na porta
É ela!
Amiga antiga,
confidente de segredos,
companheira dos meus sofrimentos...


Hoje após recebe-la,
dispensamos o café da manhã,
preferimos remoer dores de amores tristes...
fizemos planos,
de morte, confesso, porém planos em dupla!
Belo dia! Disse a confidente,
após um longo suspiro satisfeito...

Fria, inerte, ao observar minhas lágrimas...
Volta como se nem tivesse partido (penso eu)
ela, sabe tudo de mim,
parece amiga de infância,
ás vezes me pego á pensar
que por mim sente grande apreço...

Faz questão de relembrar meus medos,
fracaços, tropeços...
Hoje é mais um dia,
que ela chega sem avisar,
gosta de fazer suspresas um tanto quanto tristes..
Ela vai e volta quando pode,
nunca me abandona essa fria amiga;
Que atende por DEPRESSÃO!



Anna Carvalho






Perca-se em mim!





Sei que me perco,
dentre segredos e desejos,
entre fugas e medos
Sempre perco...

Perco quando fico,
e quando vou embora,
perco e ganho pouco mais de uma hora...

Me perco em tua boca,
me afogo nos teus olhos,
me encontro no teu corpo
e sempre morro nos teus braços...

Ah, teus laços e amassos..

Quero ser a paz que te corpo precisa
ser o tormendo da tua alma vazia...
te prender com minhas coxas,
saciar a tua sede no meu seio...
te abrigar na minha boca...

Perfumar meu corpo com o suor do teu desejo
Deixar que tuas mãos rocem e se enrosquem
dentre minhas teias e segredos
vem, sem medo e sem demora
Perde (e ganha) em mim a tua hora

Perde tua alma,
teus pudores,
tuas dores,
e amores...
Perca-se em mim
sem fim, sem juros, sem mora...
Vem, gasta em mim tua hora!


Anna Carvalho






Teu amor minha cura


Porque me tomas?
Pra que falar noutros amores...
Se entreguei aos teus carinhos
Os meus olhos que antes tristes
te olham hoje sorrindo

Numa ferida exposta em meu coração
Teu amor foi a cura,
Tuas mãos hábeis costuraram a carne
Tuas palavras doces trataram o ego

Se meu seio chama por teu corpo
Minha boca cala com teu beijo
Minha alma queima no desejo..
Pra que lembras doutros amores?
Quando tudo que meu corpo pede
o teu atende.

Anna Carvalho








Poeta


Poeta, lindo poeta
Que descreves o amor com tamanha ternura
Que envolve meus labios em gostosa tortura
Pudera em teus braços acalmar tamanha fissura



Poeta, belo poeta,
Que alegra meus dias e encanta minhas noites,
Que excita meio seio com palavras tão doces
Que faz-me lembrar que não estás assim tão longe...




Poeta, querido poeta
Roubaste minh'alma de forma tão certa
Bonitas palavras que meu encanto desperta
Certeza de que ti já estou à espera



Vem, não tarda doce poeta!



Anna carvalho





Mulher de Lua


Frente ao espelho
Conto em meu rosto 

marcas do tempo
Vejo em meus olhos 

tantos medos
Em cada nova linha 

milhões de segredos
Certeza em meu peito 

que ainda vivo menina descrente
Imagem de mulher madura
Moldada e pintada 

que o peito desmente
Espelho cruel,
Mostra as marcas, 

medos e segredos
Sinto-me nua e impura
Mulher de lua
Frieza de lua
Fases de lua...
Olhos de ônix, pele de lua
Beleza fria,
Sem as cores daquela menina
Que se esconde dentro da lua.
Espelho incapaz...
A beleza que a menina tráz
Você não pode refletir!




Anna Carvalho