sábado, 19 de fevereiro de 2011

Minha lágrima


Como posso não chorar ao ver tanto amor e saber que não é pra mim?
Como posso não sofrer sabendo que de você isso nunca vou ter?!
Sorte triste essa minha minha
Me obriga viver tudo pela metade
De que vale o desejo, afinal?
Premiação ou consolo?
Dói, como dói...

arregaça a alma, estilhaça o coração...
Dor triste que o prazer finge que engana e o ego finge que basta
coração é criança que a gente não enrola,
Que teima, que chama, que pede...que chora!
Afinal quem disse que não há rima numa lágrima sentida ou numa poesia sofrida?


Anna Carvalho








0 comentários:

Postar um comentário

:a   :b   :c   :d   :e   :f   :g   :h   :i   :j   :k   :l   :m   :n   :o   :p   :q   :r   :s   :t