sábado, 19 de janeiro de 2013

Navegante






Nada sei desse sentir que hora abrigo noutra abismo.
Sei apenas das ânsias de quando navego no mar da vida,
entre tempestades e calmarias,
entre a fúria de um furacão ou na beleza de um arco-íris.

Sei tão pouco dessas borboletas que sobrevoam meu estômago,
dessas tonturas quase torturantes e sem sentido
que encontro no sentir mais enlouquecido, 
do amor que por mim ainda é tão incompreendido.

Talvez eu saiba apenas manter as velas hasteadas,
não me preocupando muito com o rumo,
deixando apenas o vento ditar o caminho,
desse coração apaixonado em desalinho.

Nesse verdadeiro sentir, não imponho regras,
tão pouco razões ou conclusões.
Sinto somente, navego só (mente.)
Sem leme, sem planejar a direção,
guiada pelo coração, levada pela emoção...

Sendo o amor a imensidão.

Anna Carvalho

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Espero...




Espero nas linhas do tempo,
debruçada na vida como parapeito
esperando por aquele mesmo vento
que te trouxe p'ra mim,
soprando ex-amores do peito.

Espero que para o tempo haja tempo,
de remendar todos os nossos momentos,
de apartar de meus lábios o tormento,
de causar nesse oceano de lágrimas
algum movimento...

Espero...
Só espero...
Ainda espero...

Que haja resto de vida em nossos olhos,
e que a pureza dos teus reguem a semente,
renasça aquele amor que um dia me disse:
que a vida inteira era pouco tempo,
pois amor verdadeiro vive além da vida e além do amor...


Espero...

Anna Carvalho

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Olhar Felino




Pura sede vi refletido em teu olhar,
despia-me sem ao menos os dedos tocar.
tive medo de provar,
o desejo que lhe tremia os lábios,
de teu coração acelerava o compasso,
ouvia-te distante, sequer aproximei um passo.

Hesitei pelo deserto de teus olhos caminhar,
evitei por anos inteiros teu caminho cruzar.
Como se sempre soubesse quão tentador seria 
ver-me diante desse teu faminto olhar.
Mas a tua fantasia no subconsciente está,
contaminando perigosamente os instintos, 
provocando cada um dos meus sentidos...

Teu desejo como súplica ouvida pelo destino,
cruzou nossas vidas em verdadeiro desalinho.
Ai de minha carne tão fraca, aos teus olhos não mais resisto!
Quero ser presa fácil aos teus instintos felinos,
toma-me em teus braços com toda essa fome do cio,
sim, eu insisto!
Sacia-te nesses lábios que os teus há muito cobiçam!

Anna Carvalho